Pele [2013-2016]

Fotografia | Pigmento Mineral sobre papel fotográfico montado em metacrilato | 60cmx40cm

Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
Da série Pele
1/1

A cada 07 anos, se inicia um novo ciclo. Cada uma de nossas células morrem e são substituídas. Você, novo. Sem coincidir, cada célula passa pelo mesmo ciclo em momentos distintos. E nos colocam para morrer e nascer repetidas vezes. Sempre.

O que não se renovam são as emoções vividas. As agressões. O sofrimento. As alegrias. As defesas. O cansaço. O vigor. As marcas de desejo. Essas se acumulam com os anos. E impregnam nossa alma.

A pele é a superfície de auto-inscrição e de registro dos sinais da aparência. Ainda que rompê-la jamais permitiria que se visse o que há por detrás. A própria pele é um “existir” que se dá a ler, a ver e a tocar.

Para além disso e de forma velada, a pele é um invólucro que encerra em si todo o nosso conteúdo legítimo e é testemunha incontestável das violações de limites físicos. O projeto Pele busca ações para recordar o domínio que tenho. Ações que,  ainda que não tenham sido pensadas para responder à invasão do meu espaço pelo outro, foram descobertas numa tentativa quase inconsciente de resposta. Naturezas mortas, inertes, intocadas, impenetráveis, plásticas.

Como ponto de partida, utilizo a minha pele nessa investigação e, de pronto, esbarro nas discussões de gênero. As inquietações que movem este projeto, porém, se propõem a romper com as abordagens evidentes que permeiam as discussões sobre o corpo feminino - como o sexual, a beleza, a castidade, o modelo e o promíscuo - e evocam sensações e desejos primitivos que nos tornam todas semelhantes.

Os corpos que tocam o meu aparecem em pequenas inserções que revelam intimidade e identificação. Autenticam nas peles - através das cicatrizes, rugas e texturas - as histórias vividas no passado.

Por fim, o corpo é visto como um vasto campo de experimentações. A pele, uma elástica tela. Que histórias pode contar? Onde estaria o desconhecido desta superfície? Em que ponto começa a doer? Quando fica insuportável? Quanto tempo demora para se (re)acomodar quando a levamos até o limite? Alguém já morreu de sentir dor?